Textos em português e esperanto. Tekstoj en la portugala kaj en Esperanto.

Obrigada por sua visita! Dankon pro via vizito!

sábado, 17 de novembro de 2012

Rapsódia matinal


    

"O homem é uma corda distendida entre o animal e o super-homem: uma corda sobre um abismo; travessia perigosa (...)." Friedrich Nietzsche

A menina de cinco anos
balança sua alegria
na corda atada
nos galhos da mangueira.

Ela não suspeita
de outra corda:
a mulher de cinquenta
que desafia o abismo.

A menina está feliz
com a inocência
de seu instante;
no entanto desconfia
desse abismo de plumas
de temível doçura...

Então fia e desfia
a seda do rio do tempo
que retorna sempre...

A mulher de cinquenta
atravessa o espelho
e dialoga com o caos.

Ela quer provar o saber
e o sabor de todos
os homens e mulheres,
mas consegue beber
o olho azul do dia
na taça que transborda
esse sol de inverno...

Maria Nazaré de C. Laroca
In: Travessia do poema. Juiz de Fora: FUNALFA; Campinas:Pontes Editores, MG.2012. p.19

8 comentários:

  1. que coisa mais linda: A menina, a mulher,o tempo,o sonho ..."beber o olho azul do dia" Lindo!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito, Nazaré! Ela não suspeita/de outra corda:/a mulher de cinquenta/que desafia o abismo.
    Eis a poesia!

    ResponderExcluir
  3. Belo poema, sem duvida. O ser humano vive in media res

    ResponderExcluir
  4. Kia dolĉa konscia animo en via nuna korpo...

    ResponderExcluir
  5. Jen dangxera defio... Gratulon, poetino!
    Viaj versoj similas al ia (trapésio) kiun iras kaj revenas aere, bele, dangxere kaj pro tio, tro alloga.
    Kisojn.

    ResponderExcluir